SÃO SEBASTIÃO, DO IRAJÁ AO SALGUEIRO

Hoje, 20 de janeiro, é dia de São Sebastião, santo católico, protetor da Cidade Maravilhosa a qual nunca precisou tanto desta proteção.

Na hinterlândia carioca (subúrbio e antiga zona rural), existem mais de vinte templos em seu louvor, nos bairros de Bangu, Cachambi, Campo Grande, Deodoro, Engenho de Dentro, Freguesia, Guaratiba, Inhoaíba, Lins de Vasconcelos, Madureira, Olaria, Paciência, Parada de Lucas, Quintino, Santa Cruz, Sepetiba, Taquara e Vargem Grande. Outrora, havia uma capela na região de Irajá, na localidade conhecida como Beco da Coruja, hoje, segundo consta, em território de Brás de Pina. Veja mais

NOSSO SALGUEIRO CHEGOU PERTO

Por conta da desgastada abordagem histórica que restringe a África ao escravismo e apaga o que antes se passou no continente, o belo enredo do Salgueiro não foi compreendido como deveria. O senso comum desconhece que boa parte da pujança africana, anterior à conquista árabe a partir do século Sete, tem origem na região da Núbia, atual Sudão, que desde a Antiguidade influiu até mesmo no Egito dos faraós. Veja mais

A LENDA DO “THEATRO” APAGADO

Definir o que seja um Orixá não é fácil. Tanto que, entre os oeste-africanos do povo Fon (“jeje” no Brasil e “arara” em Cuba), o termo correspondente a orixá, é assim explicado: “A palavra vodún evoca uma ideia de mistério e designa algo que extrapola o divino. É toda uma manifestação de força que não se pode definir; algo que ultrapassa a imaginação e a inteligência” (Segurola et Rassinoux, Dictionnaire fon-français, 2000). Veja mais