NEI LOPES VÊ O SAMBA SEM REPRESENTAÇÃO E DESFILES COM A ESTÉTICA DA ELITE

Foto Maria Ana Krack

Jornal GGN
Por Augusto Diniz
SEX, 30/11/2018 – 12:12

No dia 2 de dezembro celebra-se o samba. Poucos brasileiros, como Nei Lopes, definem com propriedade a palavra no seu sentido musical e no seu contexto histórico de manifestação popular de raízes africanas.

Nei Lopes tem quase 40 livros publicados, desde contos e crônicas a profundos trabalhos de pesquisa da cultura negra, além de uma dezena de registros fonográficos autorais – o samba ocupa papel central nesse patrimônio. São trabalhos densos e ao mesmo tempo prazerosos, de uma contribuição rara à compreensão desse País – não sei se um terço dos membros da Academia Brasileira de Letras construiu tamanho legado. Veja mais

CONSCIÊNCIA NEGRA: A SAIDEIRA

Na nossa microssérie dedicada ao Mês da Consciência Negra íamos esquecendo de um texto esboçado. Nele, falamos da ativa participação das mulheres em todas as instâncias da vida sociocultural, política e econômica do continente africano, em todos os tempos. Destacando-se como regentes ou efetivas governantes; como negociantes, proprietárias rurais, guerreiras, lideres religiosas, pensadoras e trabalhadoras enfim, elas marcaram seus territórios e suas épocas. E nesse universo, um dos capítulos que mais chamam nossa atenção é o das sinharas (signares) do Senegal, entre os séculos 16 e 19. Veja mais

CONSCIÊNCIA NEGRA, A LUTA CONTINUA

Nesta última postagem do ano, sobre o “Mês da Consciência Negra”, voltamos a abordar um tema recorrente em nossas reflexões, que é o conteúdo das ações de conscientização praticadas. Esses conteúdos são normalmente rejeitados pelo público a quem mais devemos nos dirigir, ou seja, aos jovens afrodescendentes. Veja mais