NAS ÁGUAS DESTA BAÍA HÁ MUITO TEMPO – Contos da Guanabara

Editora Record e Livraria Folha Seca convidam para o lançamento do livro com roda de samba

NAS ÁGUAS DESTA BAÍA HÁ MUITO TEMPO

Contos da Guanabara

07 de setembro, quinta -feira, a partir das 14h

LIVRARIA FOLHA SECA
Rua do Ouvidor, 37
Centro, Rio de Janeiro/RJ

WILSON DAS NEVES (1936 – 2017), DE BAQUETA NA MÃO

Em família: Das Neves, Nei Lopes e seu irmão Mavilis (1930-2008), clicados por Cláudio Jorge.

O Samba acaba de perder Wilson das Neves, meu parceiro em algumas composições gravadas, como “Lupiciniana”, “Festa Indigesta” e “Assédio”. Mas além de parceiro, Das Neves teve em mim um grande admirador. Que, nesta despedida, venho a público repetir o que escrevi no seu perfil biográfico, escrito e publicado por Guilherme Vasconcelos em 2015. Veja mais

MORREU EM PARIS A MARIA CALLAS AFRO-BRASILEIRA

Maria D’Apparecida

Dias atrás, uma pequena nota em O Globo, informava uma perda inestimável. Morria em Paris, sozinha e sem parentes ou conhecidos, aquela que um dia foi considerada a “Maria Callas afro-brasileira”, numa referência à mitológica diva grega do canto lírico, a quem substituiu, na Europa. O corpo da cantora foi encontrado por vizinhos, em estado de decomposição. E a Embaixada Brasileira custou a localizar alguém que se responsabilizasse pelos despojos, ao final cremados lá mesmo na capital francesa. Veja mais