Saindo do forno: RIO NEGRO, 50 (Record)

No dia 17 de julho de 1950, a derrota do scratch brasileiro na Copa do Mundo, motiva um assassinato absurdo, de fortes conotações racistas. O crime é discutido na roda do Café e Bar Rio Negro, epicentro da vida intelectual dos “homens de cor” na Capital da República. E repercute também no Abará, apelidado “Colored”, bar frequentado pelo pessoal das boates, do samba e do futebol, também no centro da cidade.

Rionegro50

No Rio Negro, destaca-se a figura do Dr. Assis, boêmio e advogado, o qual, ferido em seus brios, resolve acompanhar o processo resultante do crime, atuando contra os acusados, como assistente da promotoria.

E, no Abará, pontifica a vedete Norma Nadall, apontada como pivô de outro crime, no qual Assis defende um dos acusados, sambista de uma fictícia escola de samba do morro do Salgueiro.

Nesse ambiente, o texto aborda, de forma ficcional, acontecimentos decisivos da década de 1950, como, por exemplo: a militância do Teatro Experimental do Negro; a assinatura da Lei Afonso Arinos; a morte de Getúlio Vargas; a fundação do primeiro clube social da classe média negra carioca; a conquista da primeira Copa do Mundo por uma seleção brasileira de futebol; o protagonismo do samba nos musicais das boates; a expansão das religiões de matriz africana e a consequente reação da Igreja Católica… E muito mais.

De quebra”, a trama passa pelo advento da Revolução Cubana e pelo planejamento de um assalto cinematográfico.

Romance, drama, ação, tragédia, farsa, comédia!

“Rio Negro, 50”.

NÃO PERCA MAIS ESTE LANÇAMENTO DO NEI LOPES, NÚCLEO DE EXPERIMENTOS INTERDISCIPLINARES/LABORATÓRIO DE OBRAS POPULARES ESSENCIAIS AO SABER.

2 ideias sobre “Saindo do forno: RIO NEGRO, 50 (Record)

  1. Estive revendo algumas imagens da copa de 50,a derrota do Brasil e o terrivel drama do goleiro Barbosa.Com certeza ele teve fazer parte do seu romance.Barbosa carregou pelo resto da vida a responsabilidade da derrota.Como o chefe da guarda pessoal de Getúlio Vargas,Gregório Fortunato(que merece um romance por todo o simbolismo que o envolve)Barbosa não tinha o direito de errar,simplesmente tinha de ser impecável.Vou ler com prazer seu romance meu caro Nei Lopes.

  2. Já adquiri o epub lá no site da Saraiva, depois irei adquirir o livro em formato físico. Como diria o Das Neves: Ô sorte!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *